SHOWS

2020

JANEIRO

-dia 16 - Show Tons de Minas no teatro do SESC Campinas SP

MARÇO

- dia 6- Show "Vânia canta Caetano" em Ribeirão Preto (SP), no Teatro do SESI, às 20 hs

- dia 27 - Show no Festival de Jazz de Ilhabela

- dia 28 - Show "Tons de Minas" em São José dos Campos (SP), no Teatro do SESI

MAIO

- dias 9 e 10 - Shows "Clara Crocodilo" com Arrigo Barnabé e Banda Sabor de Veneno, comemorando seus 40 anos de existência, no Teatro do Sesc Belenzinho, São Paulo (SP)

-dia 16 - Show "Clara Crocodilo" com Arrigo Barnabé e Banda Sabor de Veneno em Araraquara (SP), no Teatro do SESC

- dia 22 - Show "Cantando Caetano" em São José do Rio Preto (SP) . Teatro do Sesi.

Foto: Marco Aurélio Olímpio

 

"É doce ouvir Vânia Bastos, mais doce ainda é ouvi-la cantando nossas canções. Ela veleja pelo interior de Minas como se de lá fosse, melhor, como uma pessoa sensível que consegue entender de pronto os mistérios e encantos profundos das montanhas e de sua gente.

Nada será como antes depois deste delicado viajar de sua voz pelas nossas esquinas.

O seu cantar é só poesia, girassol a ventar em nosso quintal, a colorir de sol e lua o nosso pensamento. Se você deixar a voz de Vânia entrar em seus ouvidos e bater em seu coração feito nuvem, o movimento do mundo será outro e a vida vai fluir naturalmente.

Clareira aberta na canção brasileira contemporânea, Vânia é estrela de brilho próprio. Tece singela e despreocupadamente seu rumo por saber que colherá pérolas na manhã.

Com Milton, ela passeia pelas sombrias de San Vicente, pelas avenidas de medo, pela visão da tragédia continental que testemunhamos. Mas sempre fica a esperança de uma nova história a ser escrita por nosso coração americano.

Em meio a tantas vozes que nada dizem, ela canta a beleza porque sabe que o belo não passa, que o sonho e o canto brasileiro não envelhecem quando bons.

Para quem gosta de música brasileira de qualidade, Vânia Bastos é cais, viagem com certeza de bons ventos, mar calmo de sonoridade eterna.

Um gosto de sol no inverno que a indústria da música quer nos impor, mas nós não aceitamos".

                                                                                                                                                            Fernando Brant