BIOGRAFIA

 

Voz fundamental da música contemporânea, a cantora paulista Vânia Bastos iniciou sua carreira artística na década de 80, ao lado de Arrigo Barnabé, ao integrar a histórica banda Sabor de Veneno (nos inesquecíveis LPs Clara Crocodilo e Tubarões Voadores).

 

Em 1986 gravou seu primeiro disco solo, que já apontava sua pluralidade como intérprete, especialmente no repertório apresentado, compostos por peças de Hermelino Neder, Arrigo Barnabé, Carlos Rennó, José Miguel Wisnik, com destaque para Esse Rapaz, composição de Eduardo Gudin, feita especialmente para a cantora.

 

 

E com Eduardo Gudin iniciou sólida parceria artística, em 1989, que resultou em temporada de shows no Sesc Pompéia, com gravação do disco Eduardo Gudin e Vânia Bastos. No ano seguinte, lançou seu segundo disco solo, com destaque para a canção Paulista, de Gudin e Costa Netto, trabalho que teve tiragem no exterior (Japão).

 

 

Em 1992, lança o disco Cantando Caetano, trabalho que contou com arranjos de Paulo Bellinati, e com a participação do próprio Caetano na faixa  “No dia que eu vim-me embora”.

 

 

Dois anos depois, em 1994, apresentou o disco “Canta Mais”, com destaque para duas músicas difundidas em telenovelas (Canta, canta mais, de Jobim e Vinícius, e Pálida, de Tavito e Aldir Blanc).

No ano seguinte grava Vânia Bastos e Cordas – Canções de Tom Jobim (1995), com piano e orquestração de Francis Hime. Em seguida, lançou “Diversões não eletrônicas” (1997), cujo tema “grandes arranjadores e maestros brasileiros” desdobrava-se em músicas inéditas e regravações. Com esse CD Vânia ganhou o Prêmio Movimento de Música na categoria “melhor disco vocal do ano”.

 

 

 1999 foi o ano da gravação e lançamento de “Belas e Feras”, registrando composições apenas de mulheres brasileiras contemporâneas, dentre elas Marina Lima, Rita Lee, Ângela Ro Ro, Joyce, Adriana Calcanhoto e D. Ivone Lara. Com esse trabalho viajou por todo o Brasil e seus shows foram acompanhados por um grande público. Em 2000 dividiu o palco em algumas apresentações com Ivan Lins e outras com Toquinho através do projeto Banco do Brasil. Também participou do CD Anjo de Mim, de Ivan, na faixa “Te Amo”.

 

Em 2003, grava Vânia Bastos canta Clube da Esquina , produzido por Marco Mazzola, com piano e arranjos de Luiz Avellar. Neste trabalho foi abraçada pelos cânones Milton Nascimento (que participa do disco, na faixa San Vicente), e Fernando Brant (autor do release do disco).

No decorrer de seu percurso artístico, participou de inúmeros projetos e discos: trilhas sonoras (do filme Cidade Oculta; das telenovelas Fera Ferida, Éramos Seis e Fascinação; do infantil Castelo Rá Tim Bum), CDs temáticos sobre obras e autores (O Mestre Léo Peracchi e a Jazz Sinfônica – canções de Tom e Vinícius, Cartola Bate outra Vez, Songbook Dorival Caymmi, entre outros), além de constante atuação em shows solos, ou lado de importantes nomes da música brasileira.

 

 

Em 2007 grava “Tocar na Banda”  cd e dvd gravados ao vivo em comemoração aos seus mais de  20 anos de carreira.

 

Neste primeiro trabalho  gravado ao vivo, Vânia expõe a alegria irrefreável de uma carreira celebrada em mais de duas décadas, oferecendo aos ouvintes-espectadores um apanhado de seu repertório clássico, composto por Jobim, Caetano, Arrigo, Gudin, Itamar, entre outros nomes que integram seu eclético conjunto de obra.

 

Em 2010 grava o CD “Nabocadolobo”, voltado inteiramente à obra de Edu Lobo,  contou  com a participação dele próprio na faixa Gingado Dobrado.

Tal disco recebeu ótimas críticas por todo o Brasil, por seu caráter altamente brasileiro , pela qualidade sonora das composições de Edu e pelos arranjos e direção musical de Ronaldo Rayol.

 

Em 2013, além de apresentar-se em Lisboa no projeto "Ano do Brasil em Portugal", deu início às homenagens ao centenário de Vinícius de Moraes com o show "O Poeta da Canção", a convite da Francarlo Produções e com direção musical de Ronaldo Rayol. Também a convite de Francarlo deu início ao show "40 anos sem Pixinguinha", ao lado de Marcos Paiva Quarteto. Em 2014 Dorival Caymmi  recebeu as homenagens de Vânia pelos 100 anos que faria, com o show "Quatro Vezes Caymmi, com direção de Thiago Marques Luiz.

 

Atualmente Vânia está em fase de lançamento do álbum "Concerto para Pixinguinha" ao lado do contrabaixista e arranjador Marcos Paiva. Brevemente, shows por todo o Brasil e exterior. Em São Paulo no Teatro J.Safra (dia 13 de agosto) e no Rio de Janeiro no Teatro Net Rio (dia 14 de setembro).

 

 (release escrito com a colaboração de Heron Coelho)

 

 

 

Foto: Marco Aurélio Olímpio

 

"Para homenagear Eduardo de Góes Lobo há que ter muita confiança no taco e, principalmente, muita experiência. Vânia Bastos carrega no gogó esses atributos e inúmeros tantos outros.

Sua voz flui com a mesma facilidade com que a faca amolada corta a manteiga. A firmeza de sua afinação permite que percorra os mais complicados intervalos melódicos como se estivesse a imaginar apenas coisas prazerosas e delas se deliciasse com seu cantar. Vânia Bastos canta como se sorrisse".

                                       

                                              Aquiles Rique Reis (MPB4)

Clique e ouça o programa SUPERTÔNICA, de Arrigo Barnabé (Rádio Cultura FM de São Paulo), com Vânia Bastos.

Várias historinhas......